Se seu comentário não aparecer de imediato é porque eles são publicados apenas depois de serem lidos por mim.
Isso evita propagandas (SPAM) e possíveis ofensas.
Mas não deixe de comentar!

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Dica de Filme: Distrito 9

Um filme capaz de despertar emoções como raiva, humor, nojo e compaixão acaba sendo um filme difícil de definir. Mas nem por isso deixa de ser um filme muito interessante.

Na verdade uma história sobre segregação embalada pelas emoções acima num fundo de ficção científica é o que esperar de Distrito 9 (África do Sul/Nova Zelândia, 2009) que estréia hoje (16/10/2009) nos cinemas de todo o Brasil.

É a história de Wikus Van de Merwe (Sharlto Copley) um funcionário da MNU (Força Multinacional), empresa criada 28 anos atrás para servir de intermediária entre os alienígenas que pousaram inesperadamente em Johanesburgo (África do Sul) e os humanos normais, e de como sua associação com os aliens deu terrivelmente errado.

Os primeiros 20 minutos de filme são praticamente um documentário que apresenta uma seqüência extremamente dinâmica e bem montada de imagens de telejornais, de câmeras caseiras e depoimentos de especialistas, servindo para introduzir a idéia de que alienígenas vivendo na Terra pode não ser tão glamuroso como nossa ficção de massa apresenta.

Preconceito, roubos, mortes e desconfiança cercam a opinião geral sobre os aliens, que tem dificuldade em se comunicar e carecem de explicação para sua situação ou mesmo iniciativa própria. Um dos especialistas define a colônia de aliens como sendo uma colônia de operários semi-analfabetos que perdeu seus líderes, por isso essa indefinição sobre de onde vieram, pra onde iriam e porquê não podem sair daqui.


Wikus é apresentado como uma espécie de funcionário modelo (daqueles tipos bem certinhos mas meio-bobos), que acaba ficando encarregado de liderar a grande mudança dos aliens da favela que virou o Distrito 9 para um campo distante, e mais seguramente vigiado do que o centro de Johanesburgo.

Você sabe que algo vai dar errado quando a câmera muda e deixa o tom documental para um olhar mais onisciente mostrando ações secretas dos aliens que darão origem a infelicidade de Wikus.

Essa mudança no olhar da câmera não é feita de maneira muito fluida e chega a confundir o espectador médio na primeira metade do filme. Apesar disso, a dicotomia de linguagens apresentadas (ficção-narrativa em contraponto com a documental) acaba sendo o ponto forte do filme já que muitas explicações referentes a narrativa podem ser dadas no depoimento dos especialistas e repórteres sem interferir nas falas dos personagens centrais, além de dar um ar de verossimilhança a história.

Destaco positivamente a fotografia e a direção de arte por adaptar com sucesso vários tipos de lentes de câmera para compor a parte documental do filme e também pela criação da gigantesca nave desativada como importante paisagem-personagem do filme. A imagem do sol se pondo atrás da nave, que paira como uma espécie de montanha flutuante (e também como se vigiasse a todos), chega a ser assustadora de tão real.

Na verdade, realidade parece ser a palavra de ordem do diretor Neill Blomkamp ao tentar contar a história, que num determinado momento passa a mostrar sem pudor (apesar de manter uma certa distância) todo o sangue do confronto entre humanos e “camarões” (como nós apelidamos os aliens), ou seja, não se espante de ver braços decepados, cabeças explodindo e coisas assim, que apesar de nojentas, não chegam a prejudicar a história.


Grande sacada do roteiro também foi situar a ação toda na África do Sul, caldeirão do Apartheid durante todo o século XX, realçando e expandindo a polêmica da discriminação racial para uma discriminação entre espécies, um prato cheio para os defensores de animais, por exemplo. Afinal, se os aliens parecem brutos, estranhos e assustadores a princípio, acabam se revelando sensíveis, amorosos e inteligentes e conforme o filme avança você passa a torcer por eles.

Sem falar que o roteiro é bastante coerente e não subestima o espectador ao comentar assuntos como o uso de tecnlogia alienígena e estudo da anatomia dos camarões pelos humanos.

Outra jogada interessante é a campanha de divulgação do filme que chega nas capitais de maneira incisiva e misteriosa com cartazes do tipo “Apenas para humanos” colados em pontos de ônibus, portas de supermercados e etc.






Grande mosaico de linguagens cinematográficas e variedade emocional é o que esperar desse filme que está sendo alardeado como o mais criativo do ano pela imprensa e com absoluta razão.

Recomendado.

Valeu!!

2 comentários:

Anderson Siqueira disse...

Distrito 9, na minha opinião, é um filme com argumentos incabíveis e que decepcionou bastante, devido principalmente aos efeitos visuais abaixo da média e uma história qualitativamente ínfima.

Luciana disse...

não gosto muito de filmes que humanizam demais os ETs ou outros bichos estranhos ( a não ser os infantis). mas acho que foi exatamente por isso que o filme ficou tão crítico e bacana! gostei.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Tweet