Se seu comentário não aparecer de imediato é porque eles são publicados apenas depois de serem lidos por mim.
Isso evita propagandas (SPAM) e possíveis ofensas.
Mas não deixe de comentar!

sábado, 2 de janeiro de 2010

Filme: Lula, o filho do Brasil

O presidente Lula é um grande filhinho da mamãe.

É o que pude concluir após assistir Lula, o Filho do Brasil no cinema.

O filme conta a trajetória de parte da vida do atual presidente da república, de 1945, ano de seu nascimento, até 1980.
Apesar do título, o filme é todo pontuado por dona Lindu, a mãe de Lula, e podia se chamar facilmente de Lula, o filho de Lindu, pela sua importância na história.

Vivida por uma competente e econômica Glória Pires, que está bem convincente no papel da mãe do presidente, o filme ainda tem boas atuações de Cléo Pires como a primeira mulher de Lula, Lurdes, e Juliana Baroni (linda) como a atual mulher do presidente, Marisa.

O que decepciona mesmo é Rui Ricardo Diaz, que faz Lula na maior parte do filme, dos 18 aos 35 anos.
Sua atuação como futuro presidente do Brasil é até boa, mas fica extremamente prejudicada pela tentativa de imitar o jeito de falar peculiar de Lula.

Ponto negativo para os produtores e para o diretor Fábio Barreto que parece não ter exigido, ou ao menos discutido pouco, se o ator deveria ou não imitar o presidente. Há o absurdo de numa mesma cena o ator começar num tom de voz mais normal e logo depois assumir uma imitação tosca do falar de Lula. Mudança ocorrida quase que num mesmo discurso. Existem vários humoristas de sucesso que conseguem imitar o presidente com mais veracidade do que ele.

É difícil avaliar a história de um filme-biografia, já que por se tratar de um tempo narrativo extenso, muitos acontecimentos importantes ficam de fora, mas o filme cumpre bem o papel de pontuar a vida do presidente através de algumas passagens importantes de sua vida.
 Tirando essa questão da fala, importantíssima por sinal, o filme consegue cumprir com sucesso o objetivo de mostrar a trajetória pessoal do presidente.
Destaque para a cena do discurso no estádio, muito bem ensaiada, e para a montagem com cenas do filme mesclando-se a cenas de reportagens reais para dar uma idéia da repercussão nacional da greve dos metalúrgicos no fim dos anos 70.

Antes de assistir, li várias críticas falando do filme, meio que para me preparar para a bomba que iria encontrar e me surpreendi ao ver que isso não aconteceu.

Alguns jornalistas falam mal do filme dizendo como ele é fraco ao mostrar o jogo político, raso na transcrição dos discursos e forçado ao tentar desenvolver a verdadeira importância que Lula teve como líder sindical.

Tudo isso é verdade, mas após sair do cinema percebi que isso é feito propositadamente, e não chega a prejudicar o filme, pois o objetivo da trama foi focar muito mais no homem e nos desafios superados com a ajuda de sua mãe, essa sim o grande destaque da história.
Um fator importante que comprova isso é que a narrativa acaba logo após a morte de Dona Lindu, restando a recordatórios escritos situarem o espectador no que viria depois.
Figurinos bem ambientados, fotografia talvez um pouco exagerada nos planos fechados (planejados pra emocionar) e trilha sonora original muito bonita completam esse filme que tem tudo pra ser um marco na história do cinema nacional.

Um marco tanto do ponto de vista do momento histórico, quanto do ponto de vista de patrocínio, já que é o primeiro filme em anos que não tem o apoio financeiro da lei de incentivo a cultura. Isso, é claro, para evitar o discurso óbvio de que o filme foi feito pelo governo.

Só é uma pena as empresas privadas esperarem fazer um filme sobre a emblemática figura do atual presidente para colocar dinheiro no cinema nacional. Que pelo menos eles descubram o caminho da cultura do cinema e voltem a andar muito por ele depois disso.

Impossível negar a importância política do filme num ano de eleições presidenciais, mas é importante dizer que o filme não trata do Lula político e sim do Lula nordestino, filho, trabalhador, marido e sindicalista. E não é necessário gostar dele como político para admirar essa parte de sua trajetória de vida.

Veja esse filme, mas não esperando ver o caminho político trilhado pelo atual presidente e sim os bastidores familiares e pessoais de sua vida.

Recomendado!

Valeu!

2 comentários:

Bela18 disse...

Eu não vi o filme e nem tenho vontade em assisti-lo, pois acredito que a vida pessoal de um político em exercício da função não mudará o que penso dele. Sim, a história de um pobre que "sai da merda e não morre" é muito interessante mas, a meu ver, não merece ibope cinematográfico.

Anderson Siqueira disse...

Realmente! A maior homenagem do filme é para a mãe do Lula. No mais, achei um filme mal dirigido, produzido e com um melodrama forçado e manipulador. Esperava muito mais.
=/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Tweet